Posts com a tag: ‘Carnaval de Rua’

A política também é turismo

A política deu cara nova ao carnaval do Rio de Janeiro. Houve pacificação nos morros e o asfalto sentiu. O turismo respondeu bem.

Os blocos de carnaval, costume que a violência deixou no passado, voltaram com força e atraem hoje milhões de pessoas entre cariocas e gente de todo o lugar. A ocupação das ruas obrigou a Prefeitura do Rio a entrar no tema para oferecer infraestrutura, organização e higiene.

Cada vez mais o conjunto das Escolas de Samba que desfila no Sambódromo se faz instrumento de uso exclusivo dos turistas estrangeiros e de divulgação dos patrocinadores, porque ao lado dos blocos de carnaval, a Prefeitura abriu espaços na Estrada Intendente Magalhães em Madureira para o desfile das 40 escolas dos grupos C,D e E.

O sucesso de público, de venda e arrecadação é indiscutível. Tanto que os blocos de carnaval saíram mais cedo – duas semanas antes – mas continuamos a sentir a ausência de estudos econômicos sobre o fenômeno. O único trabalho bom neste campo permanece sendo o do Luiz Carlos Prestes Filho, que o Valor Econômico de hoje divulga como se novidade fosse. A matéria de agora chegou aos assinantes e às bancas com o título: “Carnaval do Rio equivale a uma Copa do Mundo”. Melhor seria dizer; “O Carnaval do Rio equivale a uma Copa do Mundo”. Luiz é, no momento, Superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio de Janeiro.

A folia dos blocos no Rio de Janeiro já começou (Clique para assistir o vídeo)

A folia dos blocos no Rio de Janeiro já começou (Clique para assistir o vídeo)

O trabalho foi apresentado ao mesmo público leitor – leitores do Valor Econômico – no dia 28 de janeiro, numa matéria assinada pela repórter Ediane Tiago. Provocado pelo trabalho do então Presidente da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Deputado João Pedro, o tudoeturismo comentou o trabalho com o post “Carnaval de Lucros”, principalmente para o turismo, publicado no dia 10 de fevereiro daquele ano.

Pouco importa que, no momento, existam novos estudos. A verdade é que o carnaval do Rio de Janeiro está, novamente, democratizado, inclusive nos seus resultados econômicos. Deixou de ser coisa de rico, para ser coisa do povo, seja ele rico, pobre, plebeu ou fiel.

E, do mesmo modo como fizemos em 2010, com a intenção de deixar registrado nos anais do tudoeturismo toda boa matéria sobre o nosso tema, a seguir reproduzimos o novo texto publicado pelo Valor Econômico, agora de autoria da repórter Paola de Moura. Vamos a ele:

A cada ano, o Rio de Janeiro realiza um evento equivalente a uma Copa do Mundo. Em 2012, a Riotur prevê que a cidade receba 850 mil turistas, sendo 250 mil estrangeiros. Mas esta previsão pode ser superada já que, no ano passado, foram estimados 740 mil visitantes e chegaram ao Rio um milhão de turistas.

Em 2010, na África do Sul, 3,178 milhões de pessoas estiveram no país, distribuídas em nove cidades. A cerimônia de abertura da Copa, no Soccer City, em Johannesburgo, recebeu 91 mil pessoas e a de encerramento, 89 mil. O novo Sambódromo terá a capacidade de 70 mil pessoas, sem falar no público que desfila nos blocos de rua e assiste às agremiações dos grupos C, D e E na Zona Norte.

Segundo Luiz Carlos Prestes Filho, superintendente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio e autor do estudo “Cadeia produtiva da economia do Carnaval”, se a cidade receber 850 mil turistas, eles vão gerar mais de R$ 700 milhões em receita. A Riotur estima R$ 1,2 bilhão. Os setores mais beneficiados, segundo pesquisa coordenada por Prestes, são o de transporte (32% dos gastos), alimentação e bebidas (29%) e de eventos e compras (29%).

No setor hoteleiro, por exemplo, a expectativa é de que a ocupação chegue a 96% – a média é de 83%, no verão carioca. Hoje está em 91%. O dado é parecido com o do ano passado, quando os hotéis tiveram 95% de seus quartos ocupados.

Mesmo assim, a rede hoteleira deve arrecadar bem mais. Segundo o Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (Sind-Rio), os preços dos pacotes de hospedagem estão em média 17,6% mais caros do que em 2011.

Pedro de Lamare, presidente do Sind-Rio, diz que os turistas já estão vindo mais para o Carnaval do que para apenas curtir a cidade. Por isso a ocupação nos hotéis que ficam nos bairros como Flamengo, Botafogo, Santa Teresa, Catete, Glória e Largo do Machado terão ocupação maior que os tradicionais de Copacabana, Ipanema e Leblon. “Os viajantes brasileiros, que em geral vêm em busca do Carnaval de rua e da Marquês de Sapucaí, estão descobrindo que esses bairros oferecem ótima localização, sistema de transportes e conforto, além de, algumas vezes, preços mais acessíveis”, diz Lamare.

Para Prestes Filho, o Carnaval deve ser considerado pelo Estado como uma indústria estruturante, principalmente no Rio, onde ele acontece com grande impacto econômico todos os anos. “Se temos a indústria do petróleo – claro que com um peso muito maior – a indústria da moda, temos também a do Carnaval”, diz ele.

O Carnaval vem se tornando tão importante para a cidade que agora já existem três frentes organizadas para a realização do evento, diz Prestes Filho. A primeira é o desfile das grandes escolas na Marquês de Sapucaí. Cada escola não gasta menos do que R$ 5 milhões para colocar passistas e carros alegóricos no Sambódromo. Em contrapartida, elas receberão juntas R$ 73,2 milhões em venda de ingressos, de CDs, de direitos de TV, de fantasias e de patrocínios entre outros. Sem contar os R$ 9,4 milhões que ficarão com a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa).

A segunda é a dos blocos. Nos últimos anos, vêm atraindo cinco milhões de pessoas. Neste ano, os desfiles ganharam grande estrutura da Prefeitura com a reorganização dos locais onde se apresentam, com horários para começar e terminar. “Acabou o improviso, os blocos também viraram uma indústria”, diz Prestes Filho. Este ano, serão 425 blocos.

O novo foco de atração de turistas é o desfile de 40 escolas de samba dos grupos C, D e E, que desfilam na Estrada Intendente Magalhães, em Madureira, na zona norte do Rio. “Hoje, cerca de 50 mil pessoas assistem a estes desfiles no domingo, segunda e terça-feiras de Carnaval”. O Carnaval desses grupos cresce tanto que o prefeito já estuda construir ao lado do atual Sambódromo uma Passarela Popular do Samba. A ideia é ter o espaço pronto já em 2014.

O Carnaval cresceu tanto que o próprio carioca deixou de viajar no feriado para aproveitar os desfiles. Há cerca de 10 anos, a cidade ficava vazia neste período. A maior parte da população viajava. Havia várias promoções: as redes de cinema, por exemplo, chegavam a cobrar metade do preço pelo ingresso. Hoje isso não ocorre mais.

Prestes, autor da comparação do Carnaval com a Copa do Mundo, dá o exemplo do esforço necessário para o governo organizar todos os três pilares. “A Polícia Militar fica toda de plantão e presente nos desfiles para evitar roubos e confusões, os engenheiros da CET-Rio precisam organizar o trânsito e informar a população, os hospitais reforçam o atendimento. É toda uma operação similar a que acontecerá no mundial de futebol e fazemos isto todo o ano”, enfatiza. Só o governo municipal investirá, este ano, R$ 27,4 milhões na organização do evento. (Colaborou Guilherme Serodio)

Comentário

, ,

Se você gostou dessa postagem, inscreva-se no nosso RSS/Feed

Angeline Tostes e o carnaval de Miracema

“Proprietária de grande extensão de terra no noroeste e no norte do Estado do Rio de Janeiro no século XVII e XVIII, Dona Ermelinda Rodrigues Pereira iniciou, com a decisão de doar parte de suas propriedades para formação da freguesia de Santo Antônio, a criação do município de Miracema, hoje com 26 mil habitantes.

A cidade compõe a Região Turística Noroeste das Águas, classificação estabelecida pela Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, TURISRIO, com base nos pólos turísticos regionais.  Ela possui pontos turísticos bem interessantes como são a Cachoeira da Cara, com pequenas cascatas formadas pelos desníveis do terreno; a Cachoeira do Conde, do Moura e do Paraíso Tobias. Outro ponto a merecer visita é o Açude Vale do Cedro, lago artificial cercado por árvores de grande porte.

Miracema abençoa a cultura com o Centro Histórico da Cidade, que tem importantes exemplares de arquitetura eclética, todos construídos por mestres artesãos italianos. Há também a Igreja Matriz Santo Antônio, inaugurada em 1900.  Em nossa última visita a cidade, conhecemos a biblioteca especializada em Ciências Humanas, que possui um excelente acervo com material que recupera a memória de Miracema.

Os calendários estaduais dizem que Miracema oferece duas festas populares, uma em maio, que comemora o aniversário da cidade e abriga a Exposição Agropecuária Industrial e em junho, para a festa do padroeiro, Santo Antônio. Deveria abrigar também o carnaval, que este ano chegou às ruas de Miracema com a alegria dos blocos e união das famílias e turistas.

Soubemos do sucesso do carnaval de Miracema pelo twitter, numa das mensagens postadas por Angeline Tostes, que ontem inserir os detalhes no blog http://blogovagalume.blogspot.com. Parte do texto, tomamos a liberdade de reproduzir:

“Fizemos algumas postagens para conhecer a opinião do leitor vagalume sobre o Carnaval de Miracema 2010(…).

Conversamos recentemente com um amigo que é especialista em entretenimento, turismo e coisas do gênero e a conclusão a que chegamos é que festas dessa monta são cíclicas. Vamos explicar o motivo. Assim como no final da década de 80 começou a surgir a moda do axé music, da música baiana, do carnaval em Salvador, nota-se que essa moda começa a perder força. A prova disso está no ressurgimento do carnaval de rua da capital fluminense, que esse ano contou com um público que superou o carnaval de Salvador.

Assim como a cidade do Rio de Janeiro investe no carnaval de rua, entendemos que não há carnaval de rua melhor do que o carnaval do interior. Comenta-se muito sobre as pessoas do interior buscarem a praia no carnaval. Isso de fato acontece. Porém, também ocorre de muitas pessoas buscarem o carnaval de Ouro Preto-MG. E aí?

E aí, é que necessitamos investir em nosso carnaval, na ressuscitação dos grandes carnavais miracemenses. O retorno da Escola de Samba Unidos no Samba e na Cor é por si só uma demonstração de que as coisas começam a melhorar. Melhor ainda quando assistimos a um belíssimo desfile das escolas de samba que já vêm lutando pela recuperação do carnaval como ‘Os Magnatas’, ‘Alto do Cruzeiro’, ‘Maçarico’, etc.

Se a reunião da tradição com a competência resultar em grandes desfiles, com certeza essa etapa do trabalho está completa. Até banda com marchinhas estava lá, isso já vem de alguns anos. E o que falta? Ah! Pelo que observamos nesse carnaval falta a população miracemense acreditar que temos o melhor carnaval do estado e contribuir com essa união de forças. Os blocos estavam maravilhosos, mas só desfilaram à noite. Por quê? O lugar de bloco é na rua, não é à toa que surgiu a expressão ‘ colocar o bloco na rua’. Portanto, nossa sugestão é a de que os blocos tenham horários para desfilarem durante o dia nas ruas de Miracema.

No mais, realmente o som estava muito ruim, na Rua Direita reinou a paz. Se havia falta de policiamento, só vimos circulando 3 viaturas, 2 Gol da Volkswagen e 1 camburão. Se houve brigas, foi no ‘novo inferninho’, ou melhor, no show lá pelas bandas dos Correios. Aliás, diga-se de passagem, a melhor coisa que aconteceu foi o fim do ‘Inferninho’, na Rua Barroso de Carvalho.

Aos adolescentes, que são a força jovem de nossa cidade, fica aqui o pedido: ao invés de aceitarem convites e viajarem… façam os convites e tragam a moçada para Miracema! Muitos blocos poderão surgir, até os mascarados retornarão. Porque clóvis, com belas fantasias, tínhamos aos montes”.

Desenvolvimento

, , ,

Se você gostou dessa postagem, inscreva-se no nosso RSS/Feed

Carnaval e Política, uma soma que quase sempre dá certo

O bloco “Boca Maldita” sairá no sábado dia 23 de janeiro. Os que quiserem partir com ele deverão estar na Prado Júnior, em Copacabana, às 15 horas.

O “Vira-Lata” sairá no dia seguinte para desfilar no Leblon e o “Bloco do Arrasta”, no último dia do mês, domingo, dia 31, concentrando-se na Rua Jornalista Orlando Dantas, no Flamengo. E, assim será até o dia 13 de fevereiro, quando sairá a famosa “Banda de Ipanema”, e no último dia de carnaval com “Chopinho do Paula Freitas”, que sai em Copacabana.

Estes e outros eventos fazem parte do calendário dos blocos carnavalescos da Cidade do Rio de Janeiro, que o Partido Socialismo e Liberdade, PSOL, reuniu num guia, o “Rio que Encanta 2010” e lançará hoje, sábado, dia 16, a partir das 19h, na Praça Mauro Duarte, confluência das ruas Fernandes Guimarães e São Manuel, em Botafogo.

O evento será animado pela Orquestra Voadora, grupo formado, em 2008, por músicos originados de diversos blocos de carnaval de rua.  Os vôos da orquestra – apelido das apresentações do grupo – são passeios pelas mais inusitadas vertentes musicais, de sambas clássicos de consagrados bambos brasileiros, ao rock, passando por trilhas sonoras de filmes e desenhos animados. Compõe o grupo: Daniel Paiva, Sérgio Genovencio, Tiago Rodrigues e Vicente Quintela (Trompetes); Carlos Molina, Juliano B. Pires, Leonardo Campos e Márcio Sobrosa (Trombones); André Ramos (Sax Barítono); Tim Malik (Tuba); André Fioroti, Hugo Prazeres, Julio Batista, Lula Mattos e Marcelo Azevedo (Percussão); Bárbara Bono e Tatiana Domais (Produtoras).

O guia “Rio que encanta” está na 11ª edição e contém, além do calendário de apresentação dos blocos de rua, dicas de locais onde o samba e o choro acontecem na cidade durante o carnaval.

Turismo Cultural

, , ,

Se você gostou dessa postagem, inscreva-se no nosso RSS/Feed